Publicado em

16 de julho de 2020

Escola do Turismo de Portugal //

Algarve

Os novos ‘Avatares’ do Turismo
Image

Falam várias línguas, coordenam grandes equipas, desempenham várias funções em simultâneo, dominam a linguagem digital, comunicam assertivamente, têm capacidades de liderança, resolvem problemas complexos e adaptam-se a qualquer contexto. São ainda visionários e inspiradores. Os novos profissionais da indústria turística recebem uma formação que lhes dá quase superpoderes, tornando-os uma espécie de ‘avatares’ do grande mundo do turismo.


Pelos mares dos 5 continentes

Ainda não tinha terminado o curso de Turismo quando ficou a saber que tinha sido selecionada para integrar a prestigiada Royal Caribbean International Cruises. 


Mal acreditava que tinha sido escolhida, entre centenas de candidatos com mais experiência, e já recebia novo email com a indicação do primeiro contrato. Ia fazer parte da tripulação do maior navio de cruzeiros do mundo, o assombroso “Oasis of the Seas”.


A jovem Masha Kuzmyk, natural da Ucrânia mas a viver em Portugal desde criança, recorda o que sentiu: «Fiquei cheia de emoção e também com um pouco de medo! Entrar numa companhia com tanto nome e logo para o maior barco é como se tivesse ganho o euromilhões!». 


Depois de vários meses de preparação, embarcou para a sua primeira missão: Jamaica, Haiti e Bahamas. O primeiro de muitos contratos levou-a a navegar durante 5 meses consecutivos pelas Caraíbas, desempenhando as funções de Guest Services Officer (receção).


À medida que pisava dezenas de portos nos 5 continentes, Masha ia sendo promovida para cargos cada vez mais exigentes: Guest Administration Officer (assuntos de imigração e documentação para visitar cada porto) e depois Assistant Front Desk Manager (assistente de chefe de receção).


Tinha pouco mais de 20 anos mas depressa percebeu que as soft skills desenvolvidas durante a sua formação em Turismo eram determinantes para trabalhar naquele contexto: «Estando longe de casa e a lidar com colegas e clientes de várias nacionalidades, acho que a inteligência emocional é a parte mais importante. Mas também o trabalho em equipa, empatia com os outros, resolução de conflitos e a capacidade de comunicação são características essenciais para trabalhar nos cruzeiros».


Masha é um exemplo da multiplicidade de competências que hoje são exigidas pela indústria do Turismo aos profissionais que querem entrar e evoluir nesta área. 


Não basta ser bom a falar línguas, não basta dominar a geografia mundial. É preciso um ‘mundo’ de outras competências e atributos: «Hoje em dia as Organizações modernas valorizam as soft skills como a inteligência emocional, a comunicação assertiva, a linguagem corporal positiva, a atitude proactiva. É exigida uma postura mais humanizada, com enfoque nas relações interpessoais duradouras», refere Ângela Martins, CEO e Consultora Senior da Empower You Consulting e ainda atual formadora do módulo de Turismo de Luxo do curso de Gestão de Turismo na Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve. https://escolas.turismodeportugal.pt/curso/gestao-de-turismo/


Quando o destino tem outros planos

Precisamente 24 horas depois de terminar o curso, Filipe Rodrigues foi chamado pela cadeia Tivoli Hotel para uma entrevista. Um mês depois começava a desempenhar funções no Departamento de Grupos e Eventos do Hotel Tivoli Marina Vilamoura com 5 estrelas.


A aventura já dura há 16 meses. Desde o primeiro momento Filipe percebeu a importância da formação multidisciplinar que teve: «Para o desempenho das minhas funções é essencial uma boa capacidade de comunicação, assim como conhecimento sobre o panorama mundial do turismo. As diversas disciplinas de técnicas de comunicação e os constantes trabalhos com apresentações orais em muito ajudaram ao meu crescimento. A minha ideia inicial era trabalhar como Operador Turístico, mas ao longo do curso, com os vários eventos que tivemos que organizar na escola, mudei de ideias e descobri o quão gratificante poderia ser esta vertente do turismo».


Turismo - Uma indústria que pede profissionais cada vez mais versáteis

Do outro lado da ‘história’, as empresas de turismo, os empregadores, reconhecem que hoje os recém-formados chegam ao mercado de trabalho com um perfil ‘global’, muito diferente do passado. Elsa Guerreiro, do departamento de Recursos Humanos da cadeia Hilton, onde muitos jovens realizam estágio curricular, está muito sensível a essa mudança de paradigma: «No passado era raro o estagiário que demonstrava proatividade em se relacionar com o cliente mas hoje noto um grande à vontade e segurança. Alguns acabam por ficar e ascendem na cadeia a nível internacional». https://escolas.turismodeportugal.pt/p/estagios-nacionais/


Formação a ‘365 graus’

«O turismo é uma indústria com e para o futuro». David Martins não se cansa de repetir esta frase aos seus alunos. Formador do módulo de ‘Turismo de Golfe’ do curso de Gestão de Turismo das Escolas de Hotelaria e Turismo do Algarve e V.R.Sto António, é também Diretor de Marketing e Alojamento no resort Castro Marim Golf & Country. Partilha com os alunos a sua visão sobre esta nova realidade da indústria, a imperiosa versatilidade:

«O perfil mudou. Há uma maior exigência por parte do consumidor e nós, profissionais do turismo, somos permanentemente escrutinados. Por exemplo, eu acumulo várias funções de Direção mas se for preciso limpo umas janelas. Os alunos são preparados para essa versatilidade, para terem pensamento crítico, para saberem questionar e avaliar. Gosto também de destacar sempre o facto de o Turismo ser uma indústria ‘limpa’, possível em qualquer lado. Podem-se desenvolver projetos no litoral, no interior, tudo é possível».

https://escolas.turismodeportugal.pt/p/soft-skills/


‘Dores’ e alegrias de quem teima em lançar-se sozinho

Foi num canto do país que João Viegas decidiu ‘jogar-se aos leões’. É assim que descreve os meses loucos que viveu a dar forma ao sonho de ser empreendedor. Um ano antes tinha recebido o diploma do curso de Turismo, tinha trabalhado na recepção de um hotel mas a ambição acalentada há muito de se lançar num projeto próprio, arrastou-o até Vila Real de Santo António para abrir a “Nutty – Creparia & Iogurteria”. Desses dias guarda uma mistura de emoções: «Tinha o receio de falhar, o medo de não termos sucesso e de o negócio não se vir a pagar, ou seja, dívidas. Foram dias em que mal dormi e em que o stress andava ao mais alto nível».


Com 25 anos, João agarrou-se às competências adquiridas no curso de Turismo e que hoje ainda continua a pôr em prática nas decisões do seu dia a dia. «O que aprendi foi fundamental para assumir a liderança de uma empresa. Obtive conhecimentos em empreendedorismo que foram essenciais para ter noção daquilo que é criar um negócio e todo o seu processo. Foi também muito importante Legislação Laboral, conhecimentos contabilísticos, gestão e relações interpessoais, conhecimentos gerais em recursos humanos que ainda hoje me dão imenso jeito na seleção e constituição das minhas equipas de trabalho».

Hoje a “Nutty” é um estabelecimento consolidado e reconhecido pela oferta inovadora em termos de produtos artesanais (crepes, waffles, panquecas, gelados, frozen yogurt) confecionados com matérias primas de qualidade.


Cada vez mais ‘digitais’, cada vez mais ‘humanos’

A multiplicidade de profissões possíveis dentro da indústria do Turismo é um enorme atrativo para quem gosta de trabalhar com pessoas e para as pessoas.  É nesta ideia de ‘humanização’ das ações e dos serviços que o turismo oferece que assenta o plano de estudos do curso de Gestão de Turismo nível V (pós-12ºano) lecionado pela rede de escolas do Turismo de Portugal.


Paula Vicente, Diretora da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, uma das escolas que oferece o curso de Gestão de Turismo, não tem qualquer dúvida: «Para nos destacarmos neste novo mundo devemos ser cada vez mais humanos mas também digitais, o que permitirá o contacto imediato com o mundo que nos rodeia. Este reforço das competências pessoais e sociais, a inovação e atualização das competências técnicas e introdução de ferramentas digitais e tecnológicas permitem que hoje os nossos cursos correspondam às expectativas e necessidades do setor», refere.”

https://escolas.turismodeportugal.pt/escola/algarve/


Masha, Filipe e João nunca se conheceram. Frequentaram o mesmo local mas em tempos diferentes. Hoje são profissionais em áreas distintas mas une-os o mesmo ponto de partida: formaram-se em Gestão de Turismo na Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve. Pertencem a uma nova geração, verdadeiros ‘Avatares’ do Turismo.  


Artigo elaborado por Alexandra Trindade - Jornalista e formadora dos módulos de Técnicas de Comunicação e Storytelling e de Desenvolvimento Pessoal e Criativo na Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve. 


contactos

Em caso de dúvidas, entre em contacto connosco.

Email:

formacao@turismodeportugal.pt

Newsletter

Siga-nos

Image